Tags

, , ,

    Kiev, Urânia, 24 de Julho de 2014, Alexander Turchynov acaba com a foice e o martelo na Ucrânia, o Partido Comunista Ucraniano foi dissolvido no parlamento ucraniano (RADA).

    “Eu declaro que dissolução da bancada de deputados do Partido Comunista Ucraniano neste 7º conselhe do Verkhovna Rada (Parlamento Ucraniano).

Esta bancada encolheu para 23 membros, o qual está abaixo da quantidade mínima para permanência” – Turchynov, pela RUPTLY TV.

    Nem é preciso dizer que a decisão causou comoção mundial entre a Esquerda, diversas entidades publicaram notas, artigos e matérias acusando novamente os Ucranianos ligados a Petro Poroshenko de fascistas e neonazistas.

        A Workers Words (organização marxista) em 25 de Julho pública o artigo – No ban on the Communist Party of Ukraine!Com o seguinte trecho:

“Desde o golpe, os escritórios do Partido Comunista ter sido ocupados e incendiados por grupos neonazistas como Right Sector (grupo paramilitar) e Svoboda (partido político), ativistas do partido comunista foram sequestrados e espancados, e os deputados atacados fisicamente. […]”

    Partidos Comunistas pelo mundo manifestaram solidariedade ao partido ucraniano. Os Partido Comunista Grego, Reino Unido, Chipre (quem diria), Português são exemplos do que emitiram notas oficiais acusando o Governo da Ucrânia de neonazismo e fascismo.

    No Brasil foi a vez da Rádio Voz da Rússia, publicando 2 notas no dia 24 de Julho, a primeira ás 13:00h apenas contando o que havia ocorrido, nada de mais, confira aqui, a segunda por volta das 20:00h em tom provocador – Comunistas são nova vítima da “caça às bruxas” na Ucrânia, o mais irônico é que a argumentação se resume a:

No contexto deste espetáculo absurdo encenado pelas autoridades ucranianas, a proibição do Partido Comunista não surpreende ninguém. A própria paródia de julgamento dos comunistas parece ser a sequência lógica da tragicomédia política interna ucraniana. As autoridades de Kiev não se envergonham de usar os métodos do macartismo estadunidense, que foi a campanha de perseguição aos comunistas nos anos de 1940-50. Os jornalistas já falam de “turchinismo”, apesar de o presidente da Rada Alexander Turchinov ter ultimamente recuado para papéis secundários.”

    Vale lembrar que o Portal Vermelho (ligado ao PC do B) e o Portal Diário da Liberdade (organização anticapitalista), publicou o mesmo artigo em seu site, creditando a fonte como Voz da Rússia. Novidade? Claro que não, nada que um Ctrl C + Ctrl V não resolva.

    Curiosamente, o Partido Comunista Brasileiro não emitiu nota oficial sobre o ocorrido, sabe-se lá o porquê.

    Em época em que a guerra entre Israel e Hamas tomou os holofotes da mídia, é sempre bom ficar de olho nas articulações da Esquerda.

Anúncios